Tópicos

Redes Sociais

Acompanhe:

Compartilhe:

Comércio eletrônico, ou e-commerce, é toda modalidade de comércio - comercialização de produtos e serviços - que realiza suas transações financeira por dispositivos e plataformas eletrônica. As operações no e-commerce são processadas pela internet, um exemplo é a compra ou venda de produtos - sejam no atacado ou no varejo - em lojas virtuais. 
 
 
CONCEITOS BÁSICOS
 
E-business versus e-commerce: O e-business, ou negócio eletrônico, é um termo utilizado para identificar os negócios realizados pela empresa por meios eletrônicos. É bastante utilizado como estratégia de inserção das empresas na internet, porém, não envolve necessariamente uma transação comercial, antes visa automatizar as atividades das diversas áreas da empresa, como as comunicações internas e externas, a transmissão de dados, os controles internos, o treinamento de pessoal, os contatos com fornecedores e clientes, entre outras possibilidades.  
 
Já o e-commerce pode ser considerado a parte da estratégia de e-business que possui como objetivo justamente a transação comercial. É a operação comercial/mercantil em si, onde é estabelecido o contato com os clientes por meio de plataformas online para venda de produtos ou serviços.    
 
E-commerce versus loja virtual
 
Apensar de, em geral, as pessoas acharem que esses dois termos são sinônimos, não são. Um e-commerce é uma estrutura de comércio eletrônico (online) que possui como base três pilares: gestão de negócios; soluções de TI e o marketing. 
 
Nesse sentido, a loja virtual é uma parte do e-commerce e está inserida dentro da estrutura de TI. Ela consiste na ferramenta/plataforma tecnológica que será utilizada como interface ou local (pense em uma loja física) que permitirá a interação do cliente com a empresa para fins de compra. Repare que a loja, seja ela virtual ou física, não representa necessariamente o negócio como um todo, antes, é o local onde efetivamente ocorre as operações de venda.  
 
  • MODELOS DE NEGÓCIO ONLINE
 
Existem vários de modelos de negócios online, muitos deles são novos e ainda não se desenvolveram no Brasil. Iremos listar os principais modelos de negócio online dando um panorama geral das possibilidades atual de negócios online. 
 
 
ORIGEM NA EMPRESA
  • Business to Consumer - B2C - (Empresa - consumidor): Modelo mais tradicional utilizado para venda de produtos - e até serviços - diretamente ao consumidor final. Um determinado consumidor entra no site da empresa em busca de um produto; busca informações referentes a este produto: manual técnico, funcionamento, preço, prazo de entrega, assistência técnica etc.; realiza a compra e processa o pagamento via depósito em conta corrente, boleto bancário, cartão de crédito ou internet banking.
  • Business to Business - B2B - (Empresa - empresa): nesse modelo as transações comerciais são realizadas entre empresas. É muito utilizado pelo mercado atacadista, industrial e de importação. Em geral, as empresas utilizam este tipo de e-commerce para se relacionar com seus fornecedores, fazendo pedidos, recebendo e pagando faturas, trocando dados, captando novos parceiros etc. O modelo age como um representante comercial mais ágil e escalável. 
  • E-commerce descentralizado - B2B2C - (Empresa - empresa - consumidor): Existe uma demanda crescente para a implantação desse modelo, principalmente pelas grandes dificuldades que a indústria brasileira vem enfrentando. Sempre houve um receio por parte da indústria em adotar modelos de venda direta ao consumidos final, esse receio se justifica por causa do "conflito de canais". Porém, o  e-commerce descentralizado permite incluir toda a cadeia comercial, desde a indústria até o consumidor final. Permite que a indústria venda ao consumidor final sem ofender a cadeia, sem que o varejista seja afetado de forma negativa com essa venda direta. Na realidade, não será realmente uma venda direta. A venda é executada por uma plataforma gerenciada pela indústria, porém, quando efetuada alguma operação junto ao consumidor final o fluxo de venda ocorre da seguinte forma: a industria vende para o varejista, em uma transação B2B, e o varejo repassa ao consumidor final, em uma relação B2C, a partir de uma mesma plataforma de e-commerce.  
  • Business to Goverment - B2G - (Empresa - governo): abrange todas as transações entre as empresas e organizações governamentais. Alguns governos estaduais já começaram a implantar a nota fiscal eletrônica, que além de reduzir a emissão de documentos em papel têm permitido aumentar o nível de arrecadação fiscal.  
 
ORIGEM NO CONSUMIDOR
  • Consumer to Consumer - C2C - (Consumidor - consumidor): Modelo utilizado por consumidores (PFs) para negociação de produtos e serviços sem o intermédio de empresas. 
  • Consumer to Business - C2B - (Consumidor - empresa) : Esse modelo é justamente o contrário de B2C. Nele consumidores ofertam produtos e serviços para as empresas. É um modelo ainda pouco praticado no Brasil, porém, muito forte em outros países.
  • Consumer to Goverment - C2G - (Consumidor - governo): com o crescimento das categorias empresa-consumidor e empresa-governo, os governos podem estender suas interações eletrônicas com o consumidor, como é o caso do Imposto de Renda, que pode ser declarado pela internet.
 
OUTROS MODELOS
  • Marketplace: Funciona como um centro de comprar que reuni diversos fornecedores em um mesmo lugar. Os Marketplaces são plataformas online terceirizadas onde empresas - e pessoas - ofertam seus serviços para uma determinada audiência de consumidores. Exemplos de  marketplace são Amazon, o Ebay, o Extra.com.br, a Livraria Saraiva online e o Mercado Livre
  • Programa de afiliados: É um modelo de negócio onde uma pessoa divulga um produto ou serviço, ou ainda Infoprodutos (é o caso dos cursos e treinamentos online em vídeo), e recebe o comissionamento sobre a venda realizada. Nesse caso, há plataforma específicas como o Lomadee que unem empresas aos afiliados (vendedores). No entanto, grandes players do mercado identificando o potencial desse modelo, principalmente no que se refere a redução do custo com investimento em divulgação, criaram também sua plataforma próprias para programa de afiliados.